Apresentação

 

O NOSSO COMPROMISSO
A NOSSA IDENTIDADE

        Enquanto cidadãos sonhadores mas responsáveis, enquanto cidadãos que se pretendem membros da nova museologia, o nosso compromisso é, necessariamente, com o Homem enquanto criador, conservador e transformador de bens culturais. E, como a sobrevivência do Homem depende acima de tudo da Natureza, o nosso museu apresenta-se inevitavelmente comprometido com a manutenção do equilíbrio ecológico humano, não se identificando com a passiva opção de documentar a destruição do que é natural e cultural.

        Se não nos propomos recordar e documentar apenas o que foi Coimbra à beira do seu Mondego, é porque não nos propomos deixar abater pelo pessimismo derrotista que não vê harmonia possível entre o progresso e a Natureza. “O progresso é natural” e a Natureza e o progresso humano podem e devem ser harmoniosamente celebrados.

        Então, perante tantas ameaças ao património, que papel propomos ao nosso museu?

        Como instituição interessada na preservação do património maior que é a vida, pretendemos uma documentação ativa e participante, para que não se perca a memória do destruído ou ausente, mas que sobretudo contribua para a fermentação de ações de defesa do património natural e cultural desta e de outras terras que deslizam e progridem à beira de um rio que, carinhosamente, em tempos, se alcunhou de Basófias.      

       Se todo o museu pode ser denúncia, praça pública, fórum de ideias e debates, ele pode também contribuir para o desenvolvimento do novo olhar museológico. Este olhar que pretendemos capaz de ver no rio e nas terras que percorre, no orgulho da sua Universidade e, em Santa Clara, do seu Convento de clarissas, nas lágrimas por uma rainha e na santidade das rosas de uma outra, no encanto do casario da cidade e nos seus botânicos jardins e floresta de choupos ou, ainda, nas memórias de um liceu junto à beira do Mondego plantado, um património inigualável pelo qual vale a pena lutar e ir para a praça pública em defesa.

        As musas encontraram o espaço. Junto a um Portugal de pequenitos e das lágrimas de amor numa fonte derramadas, arregaçaram mangas, e, ainda confusas, mas deslumbradas com o espólio que, de em capas negras tão cantado, percorre o rio no eco das guitarras, querem por força celebrar o humano e o natural no projeto sonhado pela diretora com nome de rainha. E, é nas memórias de uma escola que já foi cultural e até sede de uma trupe teatral, aqui, no espaço do que foi um liceu a que se chamou D. Duarte, que se enquadra, compromete e identifica o novo museu aberto à cidade. E a ele, que se projeta e enraíza nas canoas do seu rio, se decidiu chamar, em honra das suas águas, o “Ecomuseu do Mondego”.

Graciete Moreira

Ligações Úteis

     

white arrow  Portal das Escolas

white arrow  IAVE

white arrow  Nova Ágora

white arrow  Acordo Ortográfico

white arrow  Escola Segura

white arrow  eTwinning

white arrow  Associação Ex.D. Duarte

white arrow  EduBlog

white arrow  Centro de Recursos EB1

white arrow  Miúdos Seguros na Net

white arrow  Softciências

white arrow  Conservatória Regional de Coimbra

white arrow  Pequenos no tamanho, grandes nas ideias

white arrow  Ecomuseu

white arrow  Instituto de Apoio à Criança

Morada: Rua António Augusto Gonçalves 3041-901 Coimbra

Tel.: +351 239 802 310

Fax: +351 239 802 313

E-mail: aecoimbraoeste@aecoimbraoeste.pt


© 2018 Agrupamento de Escolas Coimbra Oeste. Todos os direitos reservados.